Cooperação museológica no Haiti

Após o terremoto que abalou o Haiti em 2010, os esforços da comunidade internacional para a reconstrução do paísIMG_0086 continuam ativos ainda hoje.

O Programa Ibermuseus participa deste projeto de recuperação através do envio de uma missão de especialistas, cujo principal objetivo é melhorar a conservação das coleções no museu MUPANAH (Museu do Panteão Nacional Haitiano), que cuida da memória dos heróis da independência do Haiti, e da historia e a cultura haitiana.

A missão ocorreu entre os dias 27 de setembro e 4 de outubro de 2014, com o objeto de melhorar as condições de conservação das coleções do MUPANAH, mediante a capacitação do pessoal em aspectos  de conservação preventiva e gestão de riscos. Além de realizar uma revisão do sistema de registro e inventário do museu.

Por deliberação dos membros da mesa técnica de Patrimônio em Risco do Programa Ibermuseus, foram indicados dois especialistas em conservação para ministrar a oficina de capacitação, a Sra. Carolina Ossa (Conservadora Chefe da área de pintura do Centro Nacional de Conservação do Chile) e o Sr. Mario Omar (Pesquisador em conservação da Colômbia).

A oficina foi conduzida mediante palestras com conteúdos temáticos de acordo com as necessidades expressadas pelos assistentes: pessoal colaborador do MUPANAH e 10 funcionários dos museus de Numismática do Banco Central, Museu da cana de açúcar, Museu de Arte e Museu de Etnografia. Também foram realizados alguns exercícios práticos que reforçaram os conteúdos ditados.

Além da capacitação, os especialistas realizaram uma série de propostas para estabelecer ferramentas para a elaboração de um inventário das coleções do MUPANAH e gerar estratégias para melhorar as condições das reservas do museu, e uma visita à Citadelle Laferrière e ao museu que estão montando atualmente, a convite da direção do Museu e com a participação da Ministra de Cultura do Haiti, Mme. Monique Rocourt, e do Ex – Diretor de ISPAN, M. Eddy Lubin.

A missão ofereceu a oportunidade para que os profissionais dos museus, que não contam com especialistas em conservação e restauração, pudessem adquirir conhecimentos básicos e incorporá-los à sua gestão diária.