V Encontro Ibero-Americano de Museus

08 a 10 de junho de 2012, Cidade do México.
V_EIM

O V Encontro Ibero-Americano de Museus teve como tema “Preservação do Patrimônio Museológico, repatriação de bens e cooperação internacional”. Na ocasião estiveram presentes representantes da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal e Uruguai.

O Encontro foi coordenado pelo Programa Ibermuseus em parceria com o Consejo Nacional para la Cultura y las Artes (CONACULTA), com o Instituto Nacional de Bellas Artes (INBA) e com o Instituto Nacional de Antropología e Historia (INAH), além de contar com o apoio da Secretaria Geral Ibero-Americana (SEGIB) e da Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI), e com a representação da UNESCO.

O objetivo deste V Encontro foi buscar alinhamentos das políticas públicas sobre a proteção do patrimônio e repatriação dos bens museológicos no marco da cooperação ibero-americana, assunto que vem ganhando cada vez mais relevância e prioridade nas agendas  internacionais de política cultural.

Os assuntos foram debatidos em torno a quatro eixos temáticos:

1. Tráfico ilícito, repatriação de bens e devolução de coleções. Âmbitos de ação.
2. Aspectos legais e normativa nacional e internacional do Patrimônio. Atualização da legislação.
3. Cooperação internacional e redes. Em busca de um trabalho global.
4. Circulação e movimento de coleções. Aspectos relativos a seu registro e preservação.

Entre as conclusões, recolhidas na Declaração do México, destacam as seguintes:

–  Criação de um convênio para a cooperação regional e início de uma campanha contra o tráfico ilícito de bens culturais museológicos.

– Divulgação da base de dados da Interpol de bens culturais robados.

– Contar com o Ibermuseus como apoio e criar um Selo Ibermuseus de garantia para a circulação de bens.

– Troca de experiências e boas práticas sobre inventários e documentação de coleções museológicas.

– Promoção das exposições temporárias e itinerantes como mecanismos de cooperação e exposição do patrimônio cultural comum, e criação de um Banco de Projetos Expositivos da região.

– Solicitar à SEGIB divulgar a Declaração de México na próxima Conferência Ibero-Americana, e incentivar a UNESCO na criação de um instrumento normativo de proteção ao patrimônio museológico.

Documento final: Declaração da Cidade do México.