Década do Patrimônio Museológico 2012-2022

A museologia social 40 anos após a Mesa Redonda de Santiago do Chile

Em maio de 1972 foi assinada a Declaração da Mesa Redonda de Santiago do Chile, convocada pela Unesco e pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM). O documento ressaltou a importância e o papel dos museus no mundo contemporâneo e sua contribuição na esfera educacional e de desenvolvimento social.

A Declaração tornou-se a grande referência da museologia social, corrente que entende o museu como uma instituição dinâmica e comprometida com a sua comunidade. A Mesa Redonda considera que “uma das conquistas mais importantes foi definir um novo enfoque na ação dos museus: o museu integral, destinado a dar à comunidade uma visão integral de seu meio ambiente natural e cultural (…)” Santiago, 31 de maio de 1972.

A Década do Patrimônio Museológico (2012-2022) é a celebração dos quarenta anos da Mesa Redonda de Santiago do Chile. Em 2012, os representantes de museus ibero-americanos recomendaram a criação da iniciativa que propõe ações que divulguem o espírito da Mesa Redonda como pauta para o fortalecimento de um olhar museológico que ressalte o papel social dos museus e sua função de mediação, transformação e desenvolvimento das comunidades.

O Programa Ibermuseus também é parte do legado deixado pela Mesa Redonda de Santiago do Chile. Sua criação se baseia nos princípios sociais propostos na ocasião e no marco da cooperação cultural incentivado pela Secretaria Geral Ibero-americana. Constitui-se de uma iniciativa intergovernamental para o fomento e articulação de políticas públicas para os museus na região Ibero-americana, um espaço para o diálogo e o intercâmbio que promove o desenvolvimento e a intercomunicação de instituições, públicas e privadas, e dos profissionais do setor museológico ibero-americano, impulsiona a proteção e a gestão do patrimônio e o intercâmbio de praticas, experiências e conhecimentos produzidos.

Para celebrá-la, Ibermuseus cria um selo comemorativo e estimula a que os museus e instituições relacionadas possam manifestar sua adesão à corrente de pensamento da museologia social, conferindo deste modo, unidade e coesão à comunidade ibero-americana de museus. Além de propor uma série de objetivos que se concretizam através da realização de atividades que estimulem o conhecimento e o desenvolvimento desta corrente museológica:

Conscientizar a população sobre o conceito da Museologia Social como sendo um esforço de adequação da área dos museus às mudanças ocorridas na sociedade contemporânea.

Estimular a produção acadêmica no que diz respeito aos museus e seu papel como instituições engajadas na evolução e melhoria dos índices de desenvolvimento social da região ibero-americana.

Fortalecer o compromisso necessário de acompanhamento das mudanças que ocorrem na sociedade contemporânea e afetam a Museologia.

Compreender que as mudanças ocorridas não poderiam deixar de refletir nos museus enquanto instituições que abrigam registros, histórias, memórias e realidades socioculturais dos distintos povos.

Identificar as linhas de ação que promovem, protegem e pensam a Museologia como âmbito propício ao diálogo e o intercâmbio nos distintos meios de atuação dos museus a fim de reforçar a relação entre instituições e profissionais do setor museológico Ibero-americano.

Promover a proteção e a gestão do patrimônio, do intercâmbio de experiências e do conhecimento produzido, como forma de garantir a preservação da memória e a acessibilidade às gerações futuras.

Acompanhar e impulsionar a produção e continuação de projetos nas diversas áreas da Museologia, como as questões de curadoria, de apoio ao patrimônio museológico em risco, de ações educativas, de combate ao tráfico ilícito, de recuperação do patrimônio museológico, entre outros.

Incentivar, entre os países da região ibero-americana, a criação de um ambiente de cooperação internacional em torno de projetos multilaterais na área da Museologia.

 

AÇÕES E ATIVIDADES DA DÉCADA